Blog de Jornalismo Especializado, Universidade Lusófona Porto

18
Mai 10

Meios de comunicação responsáveis pela delinquência juvenil

 

 

 

 

 

 

 

O último tema abordado na aula jornalismo especializado foi o jornalismo judicial mais concretamente a delinquência juvenil, tese de mestrado apresentada pela jornalista e docente da Universidade Lusófona do Porto Maria José Brites.

Casos de violência por parte de jovens (idades entre os 12 e os 16 anos), quer a assaltarem lojas, quer bombas de gasolinas, quer a maltratar colegas de escola mais fracos são o “prato do dia” dos nossos meios de informação. Actualmente quando folheamos um jornal, assistimos à televisão ou ouvimos rádio deparamo-nos com imensas notícias sobre casos ilícitos provocados por delinquentes juvenis, levando-nos a questionar o que leva jovens a provocarem tantos estragos.

Serão os meios de comunicação responsáveis pela delinquência juvenil?

Na minha opinião em parte sim, informações que recebemos dos jornais, rádio, televisão, cinema, etc., influenciam o nosso comportamento e modo de vida (os nossos hábitos e as nossas atitudes).

A televisão é o meio de comunicação que exerce um maior impacto e poder junto do público. A influência da televisão chega mesmo a reflectir-se na própria personalidade do telespectador. Este, ao identificar-se com as personagens televisivas, tende a imitá-las, tende a copiar aspectos de comportamento dos seus ídolos (a maneira de vestir, pentear, falar e até mesmo de agir). Essas influências que os media exercem no publico infantil e juvenil, podem trazer consequências graves e levarem a desastres e tragédias. As imagens violentas que frequentemente a televisão transmite como por exemplo, cenas de pancadaria, violações, assassínios, assaltos, etc., são em grande parte influenciadas e imitadas pelas crianças e os adolescentes.

Outro dos factores que penso ser responsável para a delinquência juvenil é o facto de o jovem já estar inserido num ambiente de conflito. Se o jovem viver num bairro onde existe constantemente lutas e pancadarias certamente o seu caminho vai ser o mesmo.

No entanto e para finalizar existem duas leis que protegem os delinquentes juvenis, a Lei de protecção de crianças e jovens em perigo (LPCJP) e a Lei Tutelar Educativa (LTE). Ambas entradas em vigor em 1 de Janeiro de 2001 e com o objectivo de acolhimento, correcção e inserção do jovem de forma digna e responsável na vida em comunidade, sob a protecção da Segurança Social e sob a tutela do Ministério da Justiça.    

 

 

Tiago Barbosa

publicado por barbosatiago às 19:36

Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29



pesquisar
 
blogs SAPO