Blog de Jornalismo Especializado, Universidade Lusófona Porto

18
Mar 10

“A política está em todo o lado. Persegue-nos. E o parlamento, ao contrário do que dizem, está sempre a fervilhar.”

 

Rui Baptista é comentador e jornalista especializado em jornalismo político. Caracteriza a política como algo recompensador, apesar de não haver propensão no universo universitário para se identificar com as escolhas dos estudantes. “É chato”, refere, “exigente, tem uma especificidade que obriga a conhecer e a dominar as técnicas jornalísticas, o reconhecer o lead antes do discurso chegar ao fim”. E é um filme, que deveria fazer com que os meros espectadores tivessem a vontade de se colocar no papel dos que nele participam. Ou pelo menos, interviessem.

 

publicado por jornalismoespecializado_jo às 09:11

 

 
O nosso segundo convidado da cadeira de Jornalismo Especializado foi Rui Baptista, comentador e jornalista especialista no tema da nossa aula: Política.
O jornalista começou por perguntar quantos de nós gostaríamos de seguir esta área. Ao que uma minoria respondeu positivamente. Facto que não estranhou o jornalista pois “já desde o tempo de Eça de Queirós que muitos achavam que os políticos eram uma “nódoa””, refere. “Nos tempos que correm sucede o mesmo, especialmente com os jovens que consideram o jornalismo político muito chato, mas também muito exigente” porque requer uma atenção redobrada e que andemos sempre “com os médios ligados”.
 

 

publicado por carlacoelho às 00:55

17
Mar 10

 

O jornalista tem de ser exigente e estar um passo à frente

 

 

O jornalismo político, constata Rui Baptista que esteve hoje na Universidade Lusófona do Porto a falar sobre o tema, é uma opção pouco seguida pelos os estudantes da área. A principal explicação, ainda na opinião de Rui Baptista, deve-se ao grande nível de exigência deste tipo de jornalismo. 


Todo o jornalismo tem a obrigação de ser feito com exigência, objectividade e verdade. A política não é um caso especial. A influência que a mesma tem em diversas áreas da vida de cada um é que sobe esse nível de exigência para o jornalistas que trabalham na área. Cada palavra, cada frase publicada na imprensa, tem muito poder, impacto e é lido/visto por muitas pessoas. Um mal entendido pode demorar dias a ser desmentido. Uma palavra por mais pequena que seja pode  



Sara Cardoso

 

publicado por sararncardoso às 23:39

    

 

Rui Baptista, especializado em Jornalismo Político, foi o convidado da aula de hoje de Jornalismo Especializado.

Jornalismo Politico é a vertente da profissão jornalística nos assuntos relativos a questões de índole política (quer a nível local, regional ou nacional), ao parlamento, aos partidos e a todas as esferas de poder formal na sociedade.
publicado por taniaaguiar às 23:11

 

Jornalismo Político
 
 
 
 
 
 
O curso Ciências da Comunicação e Cultura do 3º Ano da Universidade Lusófona do Porto, deu as boas vindas ao jornalista Rui Baptista.
O Jornalista português especializado na área política, a trabalhar actualmente na Agência Lusa, e como colaborador da RTP1 e RTP-N, deu-nos a entender um pouco melhor como é o jornalismo político em Portugal.
 “Trabalhar na Agência Lusa é ser os Jornais dos Jornalistas” – diz Rui Baptista.
Rui Baptista considera inadmissível as pessoas “virarem as costas” e mostrarem-se indiferentes à política. Segundo o jornalista a política e o jornalismo político estão relacionados com as emoções e adrenalina dos indivíduos.
Na política mentir ou não mentir é importante. Apurar a verdade é essencial. “Não se pretende mostrar se houve escutas ou não, interessa sim saber se disse a verdade ou não”. Explica-nos.
Este tipo de jornalismo é muito exigente e rigoroso, no entanto é um jornalismo compensatório a nível salarial, a par do jornalismo económico que também tem tido vária procura pela sua especificidade e boa remuneração.
Um dos principais problemas da política em Portugal e a nível mundial são as pressões políticas que todos nós estamos sujeitos. Os políticos condicionam os jornalistas e condicionam a informação. Actualmente temos assistido a casos em que o poder político sobrepõe ao poder dos média, repreende e censura várias informações.
No entanto há meios de comunicação que tentam usufruir do seu poder, para difamar, denegrir e injuriar certas figuras publicas em vez de se limitarem a praticar jornalismo de referência e sem emitirem juízos de valor. São este tipo de jornalismo (ou será que pode ser chamado jornalismo), a imprensa sensacionalista.
 
Tiago Barbosa
publicado por barbosatiago às 19:31

 


Rui Baptista, Jornalista da Agência Lusa foi o nosso convidado de hoje na aula de jornalismo especializado. Veio falar da sua vasta experiência enquanto jornalista político.
Terão o jornalismo e a política uma relação difícil? Esta foi uma das questões colocadas ao nosso convidado à qual respondeu que elas têm uma “relação de amor e ódio”.
Outras questões que o jornalista deixou no ar foram o facto de a política ser uma área “exigente mas também mais recompensadora quer a nível profissional, pessoal ou até mesmo económico”. Frisa também que uma das coisas mais “importantes da política é a verdade”, algo que de alguma forma se contrapõe com o que Fernando Costa, presidente da Câmara das Caldas da Rainha disse no XXXII Congresso Nacional PSD. “Se não fosse mentiroso não era presidente da câmara”.
As questões levantadas por Rui Baptista levaram-me a formar opiniões.
Considero que os jornalistas amam os políticos e quem está perto deles porque lhes dão informações que os permitem fazer notícia. Assim, também os políticos amam os órgãos de comunicação social, porque ao serem injuriados ou bem falados leva a que o público os defenda ou passe a admira-los ainda mais.
Sendo o jornalismo considerado o 4º poder tem o dever de informar os cidadãos sobre tudo o que acontece não só na vida política mas em todas as áreas. A política é um dos temas mais importantes porque é o que mais respeito diz ao cidadão, uma vez que somos regidos por um presidente e temos de saber quais as suas decisões para o país. Para além disso há que salientar que a política engloba imensas áreas, desde a saúde, à educação, tribunal constitucional, etc, o que faz com que a política esteja sempre presente nas nossas vidas.
É também na” vida política que se conhece o carácter do homem”. Na minha opinião o que Rui Baptista queria dizer quando citou esta frase é que é quando se tem poder que se mostra realmente quem se é, assim como é também na política que se discute e que se vê a força das palavras. 

 

Joana Teixeira

publicado por joanamorais às 19:13

  

Apesar de haver tendência para se caracterizar a relação do jornalismo com a política como conflituosa, o jornalista Rui Baptista, não figura a situação dessa maneira. Numa altura em que se fala cada vez mais de liberdade de expressão, de censura, e pressões políticas, este jornalista diz-nos que desde sempre houve pressões por parte de gabinetes e de figuras políticas. O ex-editor de política da agência Lusa, argumenta que isso sempre aconteceu e acontece diariamente. No seu entender as pressões são uma integrante que fazem parte da relação entre o poder político e comunicação social. Hás quais passo a citar a seguinte afirmação, proferida por Rui Baptista “as pressões politicas são legais e legitimas”. 

publicado por sucorreia às 18:58

                
Muda o tema, muda o interveniente. Desta vez foi Rui Baptista, editor de política na agência noticiosa LUSA, que brindou os alunos de Jornalismo da Universidade Lusófona do Porto com uma aula sobre o jornalismo político em Portugal. Além de nos contar um pouco sobre a sua vida profissional e a sua experiência enquanto jornalista, também nos transmitiu a sua opinião em relação a variados temas que marcam a actualidade política no nosso país.
                

 

publicado por hugoferreirajornalismo às 18:53

Jornalismo Político

 

 

"Mentir ou não mentir é muito importante"

 

É na política que o uso das palavras é a arma mais poderosa de todas as outras. Por mais que seja uma pequena palavra, o seu significado pode ser imenso, e os jornalistas que escrevem sobre politica são uns constantes "avaliadores" de cada palavra.

Como disse, Rui Batista, jornalista politico e comentador na RTP e RTP-N, "as palavras têm um poder extraordinário" no mundo da politica, por isso mentir e ser-se descoberto é o maior erro que um político pode cometer, exemplo disso é o Presidente Nixon, dos EUA.

 

 

publicado por luanabarbosa às 18:09

11
Mar 10

 Na cadeira de Jornalismo especializado da Universidade Lusófona do Porto, leccionada pelo Professor Daniel Catalão, o nosso primeiro convidado foi o Hugo Gilberto. Hugo é especialista em desporto e apresentador do “Trio d’Ataque” da RTP N, às terças-feiras. O tema da aula foi marcadamente o desporto dentro das várias plataformas: jornais, rádio e televisão. E quando falamos de desporto em Portugal, falamos necessariamente do rei que, quer queiramos ou não, é o futebol. O jornalista com 10 anos na RTP, não poupa nas críticas a esta “vertente” do jornalismo, pois considera existirem “muitos maus jornalistas desportivos” no nosso país e, segundo ele, estes “devem cumprir as mesmas regras do jornalismo não especializado”.

publicado por carlacoelho às 20:04
editado por jornalismoespecializado em 12/03/2010 às 00:14

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13

14
15
16
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


subscrever feeds
pesquisar
 
blogs SAPO