Blog de Jornalismo Especializado, Universidade Lusófona Porto

17
Mai 11

State of play é um filme de 2009 realizado por Kevin Macdonald. O actor principal deste filme é Russell Crowe (Cal McAffrey) um jornalista de investigação. Ben Affleck, no papel de Stephen Collins e a actriz Rachel McAdams no papel de Della Frye são também personagens de grande relevância.

 

Resumo do Filme:

A história do filme começa por mostrar um homicídio que afecta um jovem drogado e um inocente que apenas distribuía pizas que consegue escapar à morte, tendo no entanto, sofrido graves danos físicos que o colocam em coma.

Depois deste incidente, Cal Mcaffrrey (Russell Crowe), um famoso jornalista de investigação, recolhe algumas informações no local do crime junto do detective Donald Bell (Henry Lennix).

Paralelamente somos transportados até ao Capitólio onde Stephen Collins (Bem Affleck), membro activo de uma comissão de investigação do congresso aos negócios e actividades de uma empresa de segurança privada que é responsável por alguns trabalhos de segurança nos vários cenários de guerra, é informado pelos seus assistentes políticos sobre a trágica morte da sua assistente de investigação e amante, Sonia Baker (Maria Thayer).

Cal McAffrey e Della Frye (Rachel McAdams), uma ambiciosa jornalista política, vão juntando todos os factos e provas até obterem alguns indícios que ligam o homicídio do jovem drogado ao aparente suicídio de Sónia, ligação essa que poderá estar relacionada com uma grande conspiração política que liga o Governo e o Exercito à PointCorp, a empresa de segurança privada.

 

Critica:

State of Play retrata a actividade dos jornalistas de investigação.

As dificuldades que encontram pelo caminho, a questão das fontes de informação, da ética dos jornalistas, o embate entre o jornalismo “tradicional” (jornais em papel) e o novo media (representado pelo Blog Capitol Hill) e a questão da objectividade são alguns dos pontos abordados neste filme.

O jornalismo de investigação narra uma história verdadeira. Desvenda mistérios e factos ocultos do conhecimento público, especialmente crimes e casos de corrupção, que podem eventualmente virar notícia. É uma actividade com características específicas que se diferencia do jornalismo comum pelos seguintes aspectos:

  • Investigação minuciosa dos factos que requer muito tempo
  • Disponibilidade de recursos específicos: tempo, dinheiro, talento e sorte
  • Precisão das informações (o jornalismo de investigação é conhecido também como Jornalismo de Precisão)

 

O filme aborda a questão da disponibilidade dos recursos quando, num momento, a directora do jornal diz a Cal Mcaffrey que, mesmo que experiente, “ele é muito caro e demora muito tempo”, e Della, embora inexperiente, é “ambiciosa, barata e reproduz artigos a toda a hora”. É possível também perceber como os meios económicos se apoderaram dos órgãos de comunicação. Estes lidam com as notícias como mercadorias onde o principal objectivo é vender mais que os outros mesmo que para isso não se cumpram todas as fases da construção da mesma, como o contraditório, por exemplo.

Cal Mcaffrey, representa o “antes” por não dominar as novas tecnologias, e Della representa o jornalismo de agora onde a palavra “rapidez” parece ser a palavra-chave. É um contraste interessante, pois o envolvimento destas duas personagens acaba por ser uma aprendizagem: Cal acaba por ensinar a Della que, no jornalismo de investigação, ela tem que ter todas as confirmações e não fazer aquilo que ele designou como “Vomitares on-line”. Apesar da visão negativa dos on-line que nos é dada através da personagem principal, o objectivo é mostrar como os dois meios podem coexistir.

A questão das fontes de informação acompanham o filme do inicio ao fim. As fontes e os conhecimentos fornecem uma base sólida como ponto de partida para a narrativa e como rampa de lançamento para outras testemunhas importantes na história. A construção da narrativa vai desde do detective Bell à rapariga da rua (no filme), isto é, da fonte de informação oficial à fonte de informação oficiosa. Tudo é relevante mas é necessário conseguir manter distância. Tudo tem que ser confirmado ao pormenor, dando sempre maior credibilidade às fontes oficiais. Cal, o jornalista, consegue ainda, muitas informações através de Fontes Anónimas. Ele protege as suas fontes pedindo que elas contem aquilo que sabem “sem nomes”. Atribui-lhes a importância necessária – são importantes, necessárias à procura da verdade.

O jornalista não consegue ser totalmente objectivo. Cada pessoa tem as suas crenças, não vive isolado e sofre influências. A questão da objectividade é levantada neste filme com as personagens Cal e Stephen Collins. Qualquer jornalista deve tentar distanciar-se, embora que difícil, para não beneficiar um amigo. A regra é ser o mais objectivo que possível.

Este filme deixa-nos a todos, pelo menos quem gosta da área, com vontade de sermos jornalistas.

 

 


 

Por: Joana Silva

publicado por joanassilva78 às 10:34

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13
14

15
18
19
20
21

25
28

29
30
31


pesquisar
 
blogs SAPO