Blog de Jornalismo Especializado, Universidade Lusófona Porto

21
Abr 13

O filme de drama e comédia Broadcast News demonstra tudo o que está por detrás dos bastidores das notícias. Realizado em 1987 por James L.Brook, esta é uma longa-metragem que pretende apresentar a história de um canal noticioso norte-americano.

 

Nesta comédia romântica discutem-se essencialmente os princípios e valores éticos do jornalismo, mas também a competência profissional, o trabalho em equipa e o braço-de-ferro que há nas redacções, que para além de serem um local de trabalho é um espaço de grandes emoções.  A sucursal de Washington de um canal televisivo é palco deste filme e do desenrolar da história dos protagonistas: Aaron um repórter brilhante, esforçado e com boas fontes; Jane uma produtora muito competente e Tom recém-contratado pela emissora e novo na capital americana.

 

Numa análise à profissão retratada no filme, há uma ilustração sobre o funcionamento do canal de televisão, desde o trabalho de campo até as notícias irem para o ar. Em Broadcast News, não há uma discussão sobre o abismo que existe entre o jornalismo sério e o jornalismo sensacionalista, visto que, esse mesmo abismo está bem presente no filme. Aquilo que aqui se procura analisar é exactamente, qual o ponto que separa a informação do infotainnment. De notar que esta tentativa de separação está bem patente quando Aaron e Jane estão na América Central a fazer a cobertura de uma guerra, uma vez que Jane não quer que os movimentos dos militares sejam artificiais, prefere que tudo seja feito naturalmente e que o repórter de imagem esteja atento a cada minuto, para poder captar a melhor imagem, “Não! Pare! Não vamos inventar nada. Espere e veja o que ele vai fazer”. Esta sequência do filme demonstra a emblemática discussão que estará sempre presente no jornalismo, o que é verdade, o que é encenação, o que é jornalismo rigorosamente sério, e qual o que chega perto do infotainment.

 

Um outro ponto fundamental deste filme e que demonstra aquilo de que muitos profissionais são capazes só para arrecadarem audiências, só para serem aclamados, ou mesmo para darem mais emoção ao espectador, é quando Tom faz uma longa matéria sobre agressões sexuais a mulheres. Num determinado momento da edição das imagens, há uma mulher que relata a agressão de que foi vítima e, em seguida num rápido plano vê-se o jornalista a deixar cair uma lágrima. Nesta cena há um claro desrespeito pelos principios éticos que devem reger a profissão, porque o grande objectivo de um jornalista é informar rigorosamente o espectador e não induzi-lo em erro.

 

Este é um filme que ilustra claramente os vários tipos de profissionais e os diferentes lados que existem nesta área, não só por apresentar uma personagem que procura ser o mais rigorosa possível quando faz o seu trabalho, não gosta de manipulação nem de produzir uma realidade, como também mostra o lado mais negro do jornalismo, aqui representado por Tom, que apesar de ser recém-contratado, procura induzir o espectador em erro, e não tem respeito pelos valores da sua profissão.

 

 

Ana Luísa Azevedo

publicado por luisaazevedo às 11:43

Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

15
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30


pesquisar
 
blogs SAPO